Se seres humanos fossem puramente lógicos, abandonar maus hábitos e superar momentos de insanidade seria moleza: tornaríamos-nos os senhores controlados. Infelizmente, nossa razão vem acompanhada de tantas emoções que é mais provável decidirmos mal motivados por elas do que avaliarmos racionalmente antes de respondermos. É aí que entra o autocontrole. Entenda alguns caminhos para efetivá-lo em sua vida e para decidir as coisas com mais inteligência (lógica e emocional).

Seria bom ter um botão destes as vezes, né?

Pratique, pratique, pratique

A forma mais simples de melhorar em algo é praticando. Você pode começar com um exercício semanal, por exemplo. Pegue alguma coisa que faz em excesso e pare de fazer por uma semana. Pare de assistir televisão, não coma fora de casa ou mantenha as coisinhas tecnológicas fora do seu quarto para dormir melhor. Quando você perceber que foi uma moleza abrir mão do hábito por uma semana, já vai se sentir mais preparado para desafios maiores… como deixar o chocolate de lado por semanas, ou por meses. Quando você muda um hábito por um mês, cai a ficha de como o poder de controlar seus comportamentos está ao seu alcance. Tem gente que consegue melhorar radicalmente a vida se abstendo de algo 30 dias. Saiba mais como fazer um desafio de 30 dias.

Encontre distrações adequadas

Sabe aquele experimento das crianças com o marshmallow? Pois é. Ali encontramos um grande ensinamento: distrair-se pode ser um dos melhores métodos de autocontrole. A gente sabe que quando a tentação está na sua frente é complicado dizer não. Entretanto, se você puder distrair-se e evitar pensar sobre o que fica ali, seduzindo seu olhar, talvez seja o suficiente para manter você longe de fazer besteiras.

Distrações simples, como sentar sobre suas mãos para restringir o movimento e conversar para manter sua mente ocupada são tão fáceis quanto eficientes. Quanto mais seu corpo e sua mente estiverem ocupados com outras ações, menos energia você terá para se descontrolar. É simples assim: restrinja-se e distraia-se para evitar escolhas erradas.

Cuide-se

Como todos temos uma quantidade limitada de autocontrole, usá-lo em excesso pode fazer mal. É claro que você não vai querer esgotar suas reservas… E controle em excesso torna as pessoas chatas. Manter-se saudável pode fazer muita diferença. Aquele papo manjado de dieta apropriada, exercícios físicos e boas noites de sono também vale aqui. Faça lanchinhos e mantenha-se alimentado durante o dia (de preferência com muitas pequenas refeições) – lembra da história de ser mais persuasivo fazendo pedidos após o almoço? Por incrível que pareça, isso afeta diretamente sua reserva de autocontrole. Claro que você também terá que se controlar ao escolher o que comer, mas, cá pra nós, isso é coisa pequena diante dos seus grandes desafios, não é mesmo?

Crie desvantagens

É difícil se viciar em tabaco quando não se pode comprar cigarros. Pela lógica, as pessoas sem grana para financiar um vício não podem se viciar neles. Além disso, quanto mais distantes as consequências de um vício parecem, mais fácil é se deixar levar por ele. Se apenas um cigarro matasse, todo mundo o evitaria como se evita uma cerca elétrica. Virar um pobre ou desenvolver uma alergia mortal à nicotina (se é que isso é possível) são medidas extremas que você não gostaria de tomar para parar de fumar, certo? Mas, se você tiver dificuldades de obter um cigarro, você não terá que exigir muito do seu autocontrole. Tcharam! De vez em quando, isso significa deixar seus cigarros em algum lugar de difícil acesso, que exija um esforço adicional de busca, por exemplo.

Utilize o medo

O medo é também um ótimo aliado do autocontrole. Parece terrorismo, mas vamos concordar que é mais fácil ajustar sua dieta ou mudar um hábito se você acredita que vai te matar ou causar danos imediatos. Se você tem alergia a amendoins, por mais que sua barriga faminta clame por eles, sempre vai ser mais sensato recusá-los por saber das consequências terríveis de uma possível recaída ao ingerir a semente do pecado.Para usar o medo como mecanismo de autocontrole, você precisa sentir imediatamente as consequências de uma ação. Por exemplo, se você teve algum problema com drogas na família, provavelmente vai preferir evitar envolvimentos com elas do que encará-las como parte de sua vida. Quando começar a se meter na furada, vai lembrar de momentos desagradáveis que gostaria que fossem diferentes. Dessa forma, saber das consequências ajuda a evitar escolhas erradas. Dá medo, mas é para o bem. Acredite.

Na verdade, ter autocontrole não é fácil para ninguém. É trabalhoso e exige prática constante. O que dei aqui foram alguns macetes de concretizá-lo em sua vida para fazer escolhas mais sábias. Afinal, agir impulsionado por emoção é mais poético, mas nem sempre traz os melhores resultados na vida real (apesar dos filmes insistirem no contrário).

Leia também o artigo sobre autocontrole do experimento do marshmellow.

FONTE: http://lifehacker.com/5802572/how-self-control-works-and-how-to-use-it


Marco Aurélio
Marco Aurélio

Empresário, publicitário e professor que gosta de falar sobre comportamento, empreendedorismo e alta performance.

Leave a Reply

Your email address will not be published.